terça-feira, 13 de setembro de 2016

segunda-feira, 18 de julho de 2016

TREINO DA TARDE

GINÁSTICA ARTÍSTICA ABAN BRASIL

A prática faz o hábito e aperfeiçoa os movimentos!







quarta-feira, 22 de junho de 2016

CAMPANHA DE COMBATE À CORRUPÇÃO



O Ministério Público do Paraná, a Associação Paranaense do Ministério Público e a Fundação Escola do Ministério Público do Paraná, em parceria com o Ministério Público Federal, participam da campanha “Dez Medidas contra a Corrupção”.

A iniciativa, sem qualquer vínculo político-partidário, tem por objetivo a apresentação de projeto de lei de iniciativa popular ao Congresso Nacional, destinado ao aperfeiçoamento do sistema jurídico, de modo a reprimir a corrupção e a impunidade no Brasil (conheça as 10 medidas propostas pelo MPF, com a adesão dos MPs de todo o país).


1          Prevenção à corrupção, transparência e proteção à fonte de informação
2          Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos
3          Aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores
4          Aumento da eficiência e da justiça dos recursos no processo penal
5          Celeridade nas ações de improbidade administrativa
6          Reforma no sistema de prescrição penal
7          Ajustes nas nulidades penais
8          Responsabilização dos partidos políticos e criminalização do "caixa dois"
9          Prisão preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado
10        Recuperação do lucro derivado do crime     



ABAN Brasil


terça-feira, 21 de junho de 2016

Dançar é...


"Dançar é sentir, sentir é sofrer, sofrer é amar... Tu amas, sofres e sentes. Dança!"
Isadora Duncan





Ginástica Artística

ABAN Brasil

sexta-feira, 17 de junho de 2016

CIRCUS - Apresentação de junho



Desenvolvimento pessoal



“Que todo indivíduo tenha a oportunidade de desenvolver os dons que nele possam estar latentes. Somente assim ele poderá lograr a satisfação que lhe cabe por justiça; e somente assim a comunidade poderá alcançar sua mais rica florescência. Pois tudo o que é realmente grandioso e inspirador é criado pelo indivíduo que pode trabalhar em liberdade.”


Albert Einstein

quinta-feira, 16 de junho de 2016

16 de junho - Dia da Criança Africana


16 de junho – Dia da Criança Africana

Tema do Dia da Criança Africana: "Todos juntos para uma ação urgente em favor das crianças de rua"

Nova Iorque/Addis Abeba, 16 de junho – Milhares de crianças na África estão enfrentando a violência, a exploração e o abuso todos os dias. A situação é especialmente dura para as crianças que vivem e trabalham nas ruas.

Por ocasião do 21º Dia da Criança Africana, o UNICEF apelou aos governos para que reforcem os sistemas de apoio que fornecem as bases para um ambiente mais protetor nas famílias e nas comunidades para manter as crianças seguras e fortalecer as capacidades familiares, por meio da oferta de cuidados de saúde e sociais básicos, além da promoção da educação.

"Essas crianças já foram obrigadas a abandonar a proteção das suas casas para ser submetidas a riscos ainda maiores nas ruas", disse Anthony Lake, diretor executivo do UNICEF. "No Dia da Criança Africana – e todos os dias –, temos de fazer todo o possível para abordar as razões por que tantas crianças são separadas de suas famílias e investir em novos esforços para protegê-las, não importando onde elas vivam", reiterou Lake.

A pobreza, os conflitos armados, o HIV/aids e a mudança climática, bem como a violência doméstica, têm forçado mais e mais crianças a deixar suas casas para viver e trabalhar nas ruas, expostas à violência e à exploração. Muitas outras acabam em situações de exploração em menos visíveis, trabalhando em famílias, nas fazendas, nas minas ou mesmo em grupos armados.

Na África ao sul do Saara, cerca de 50 milhões de crianças perderam um ou ambos os pais, quase 15 milhões dos quais devido ao HIV. Algumas delas são forçadas a crescer por conta própria, com limitado ou nenhum apoio de tutores adultos. A África ao sul do Saara tem as maiores taxas de trabalho infantil no mundo, com mais de um terço das crianças de 5 a 14 anos sendo explorado em situações duras de trabalho.

"A questão das crianças que trabalham e vivem nas ruas das cidades africanas é apenas a face visível de violações em grande escala dos direitos", disse Agnès Kaboré Ouattara, presidente do Comitê Africano de Especialistas sobre os Direitos e Bem-Estar da Criança. "Isso é consequência de fatores socioeconômicos, tais como a pobreza, explosão demográfica, migração rural-urbana, crises políticas, bem como de problemas interpessoais, tais como violência e rejeição em famílias desestruturadas”, disse Ouattara.

Esses desafios reforçam a necessidade de fortalecer o papel das famílias e comunidades na promoção e proteção da saúde das crianças. Como consequência, os governos, com o apoio de parceiros, precisam investir recursos adequados nas comunidades rurais desfavorecidas para reduzir as disparidades entre regiões e grupos de renda, bem como enfrentar a discriminação baseada no gênero, idade, etnia, entre outros fatores.

Nos últimos anos, vários países africanos conseguiram ganhos importantes na implementação de uma estrutura de direitos da criança e do adolescente. Muitos países introduziram mecanismos de proteção social, incluindo as transferências de renda, que desempenham um papel fundamental no apoio às famílias vulneráveis e evitam que crianças saiam de suas casas para trabalhar.

O UNICEF está colaborando com os governos em todo o continente para criar um ambiente protetor, tanto na promoção de programas de assistência social quanto no engajamento em defesa das crianças contra a exploração e o abuso.

Nota do editor
O Dia da Criança Africana comemora um marco: em 1976, em Soweto, África do Sul, milhares de crianças em idade escolar saíram às ruas para protestar contra a qualidade inferior de sua educação e exigir o seu direito de aprender em sua própria língua. Nas duas semanas de protestos, milhares de meninos e meninas ficaram feridos e mais de cem foram mortos. Para honrar a memória dos mortos e a coragem de todos aqueles que marcharam, o Dia da Criança Africana passou a ser comemorado em 16 de junho de cada ano desde 1991

Fonte: UNICEF

ABAN Brasil

Preparativos para nossa festa de julho





Trabalhos Diários




terça-feira, 14 de junho de 2016

Dia Mundial de Conscientização da Violência contra o Idoso - 15 de junho

15 de JUNHO, DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA

Raimunda Silva d’ Alencar1
Fernanda Silva d’Alencar2
Priscila Souza Silva3


É indiscutível que vivemos sob a égide dos grandes avanços tecnológicos, com impactos significativamente favoráveis à melhoria da qualidade de vida, maior longevidade e padrões de bem-estar não vividos anteriormente. Técnicas de intervenção no corpo, equipamentos para diagnósticos cada vez mais eficientes, medicamentos eficazes, são recursos aperfeiçoados dia a dia, de modo a prevenir doenças, prolongar a vida e aumentar a autonomia de quem envelhece.

Apesar desses avanços, as relações sociais, que poderiam acompanhá-los naquilo que significam de melhor, expressam-se cada vez mais fragilizadas e revelam a cumplicidade de pessoas e instituições com o descaso, o abandono e maus tratos contra pessoas, tanto no domicílio quanto fora dele, sinalizando absoluto despreparo para lidar com questões da existência humana, sejam físicas ou psíquicas, que vão do nascimento à morte.

Esse despreparo tem levado o homem a viver altos graus de insegurança, de incertezas e situações de extremo desconforto, provocados pelo descaso, maus-tratos, violação de direitos e, até mesmo, barbárie, gerando um conjunto de sofrimentos absolutamente desnecessários e absurdos, mas que se avolumam dia após dia, ainda que sejam minimizados, ou até pareçam invisíveis.

A violência contra o idoso é uma dessas graves barbáries, iniciada quando a sociedade fragiliza as relações e desvaloriza a pessoa idosa, levando-a a perder a oportunidade de participação, pelo simples julgamento de que é lento, incapaz, ultrapassado, influenciando o modo como o próprio idoso vê e pensa a vida e a si próprio. Essa violência ganha um aspecto diferente e, até certo ponto, dramático, considerando tratar-se de indivíduo para quem as possibilidades de ascensão social já foram fechadas e o sentido de destino e de esperança já foi perdido.

Preocupada com essas e outras situações, a Organização das Nações Unidas (ONU), em parceria com o International Network for the Prevention of Elder Abuse (INPEA) declarou, em 2006, o dia 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, cuja reivindicação foi iniciada na Declaração de Toronto, no Canadá, em 2002, quando se definiu um Plano Internacional de Prevenção da Violência contra a Pessoa Idosa, e o Brasil foi signatário. É importante assinalar que não se trata de uma data para comemorar, mas para conscientizar/sensibilizar a população de que existem pessoas idosas, provavelmente próximas a cada um de nós, sendo tratadas com descaso, e de forma sub-humana, violentadas minuto a minuto, tanto por familiares quanto por instituições que deveriam protegê-las.

A explicação para as causas dessa violência quase sempre está circunscrita ao ambiente doméstico. Ainda que aí ocorram, não se pode minimizar a participação da sociedade como um todo, incluindo o Estado, quando se ausenta de cumprir a responsabilidade com a infra-estrutura urbana e com os serviços de saúde devidamente equipados e capazes de garantir uma velhice digna e ativa, de que tanto registram documentos e discursos.

Expressando-se de variadas formas, essa violência deriva tanto da base estrutural (políticas que retiram gradualmente o poder de compra, quando reduzem índices de reajuste das aposentadorias, por exemplo), quanto institucional (aplicação/redução ou desvios de recursos por gestores públicos nas políticas sociais de saúde e assistência, ou não qualificam os recursos humanos) e interpessoal (interações e relações cotidianas).

Essas expressões se manifestam mais corriqueira e intensamente no abuso financeiro/econômico, quando familiares e amigos usam os recursos financeiros e patrimoniais dos idosos de forma ilegal, não consentida; no abuso, violência e maus tratos físicos e psicológicos, quando fere, podendo incapacitá-lo/levá-lo à morte, ou quando agride, humilha, aterroriza, limita a liberdade e isola-o da convivência social; no abandono, pela omissão (governamental e institucional, incluindo a família) na prestação de assistência; na negligência/autonegligência, quando há omissão/recusa de cuidados básicos.

A crescente manifestação de violência e maus tratos a esse segmento, associada à insegurança, falta de proteção e apoio social, contribuem para o agravamento de doenças na velhice, sobrecarregam o sistema de saúde e, como consequência, comprometem o atendimento e fragilizam ainda mais a sua qualidade de vida.
Embora o Estatuto do Idoso (Lei 10741/2003) determine que casos de suspeitas ou confirmação de violência contra o idoso sejam obrigatoriamente comunicados pelos profissionais de saúde, isto ainda não ocorre, fazendo com que não haja notificação ou os casos sejam subnotificados e o idoso continue, silenciosamente, sofrendo sem também denunciar, pelo medo de perder totalmente os laços afetivos com a família, em muitos casos já fragilizados. DESCONFIE DE CONTUSÕES, HEMATOMAS, QUEIMADURAS, FRATURAS, DESCUIDO COM A HIGIENE, DESIDRATAÇÃO E DESNUTRIÇÃO.

O Núcleo de Estudos do Envelhecimento, sensível à situação na área do entorno da UESC, conclama a todos para a importância da notificação dos casos suspeitos ou confirmados de violência contra a pessoa idosa. Afinal, a notificação significa um ato de cuidado e pode poupar um idoso de mais sofrimento. Não notificar, ou não denunciar, é omissão de responsabilidade. Para denunciar, basta acionar: Ministério Público, Conselho do Idoso, Defensoria Pública e Delegacias, nos seus municípios. Em Itabuna, Bahia, o Conselho Municipal do Idoso funciona à Rua Monsenhor Moisés, 27 e o telefone é: 3212 6513.

NOTIFIQUE, DENUNCIE
NÃO SEJA CUMPLICE DA VIOLENCIA CONTRA O IDOSO


1 Professora Assistente da UESC, Núcleo de Estudos do Envelhecimento (r_alencar2@yahoo.com.br).
2 Enfermeira de Saúde da Família, Especialista em Gerontologia pela UESC. Colaboradora do Núcleo de Estudos do Envelhecimento (dalencar09@hotmail.com)
3 Enfermeira de Saúde da Família, Especialista em Gerontologia pela UESC. Colaboradora do Núcleo de Estudos do Envelhecimento

ABAN Brasil

Dia Mundial do Doador de Sangue - 14 de junho


sexta-feira, 10 de junho de 2016

!0 de junho - Dia da Língua Portuguesa

Dia da Língua Portuguesa

O Dia da Língua Portuguesa é comemorado no dia 10 de junho, dia em que a morte de Luiz Vaz de Camões é lembrada. Autor de obras memoráveis como “Os Lusíadas”, Luis de Camões é considerado um dos maiores poetas da história lusitana.

A língua portuguesa é nosso patrimônio comum, além de ser a matéria-prima para nossa literatura e poesia, por isso a importância da comemoração da data. Vale lembrar, que o idioma tem sua origem no latim vulgar – o latim falado, que os romanos introduziram na Lusitânia, região situada ao sudoeste da Península Ibérica, a partir de 218 a.C.

Atualmente, segundo dados da ONU, pelo menos 235 milhões de pessoas têm o português como primeira língua, em oito países que vão das Américas à Ásia. Mais de 80% desses falantes são brasileiros. Entretanto, muitos falantes do português vivem fora dos países lusófonos em nações da Europa e nos Estados Unidos. Não oficialmente, o português é falado por uma pequena parte da população em Macau, no estado de Goa, na Índia, e na Oceania.

A língua portuguesa é a quinta língua mais falada do planeta e a terceira mais falada entre as línguas ocidentais, ficando atrás somente do inglês e do castelhano. Por toda a importância dada à  língua portuguesa, seu ensino agora é bastante valorizado nos países que compõem o Mercosul, e é a língua oficial em diversos países como: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe e, ainda, Timor-Leste após sua independência.



ABAN Brasil

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Dia Nacional da Imunização

Dia Nacional da Imunização
Inúmeras doenças, incluindo a influenza vírus H1N1 podem ser prevenidas pela vacina


Nesta quinta-feira (9) é o Dia Nacional da Imunização. A data tem o objetivo de lembrar a importância da vacinação. Inúmeras doenças podem ser prevenidas por meio de vacinas. Uma dela é a influenza H1N1, que após a pandemia de 2009, acomete várias faixas etárias da população.

A partir dos 6 meses de idade, a vacina está recomendada para todos, mas o Ministério da Saúde definiu grupos de prioridade baseado nos grupos em que as pessoas têm o maior risco de desenvolver a forma grave da doença. Estão inclusos as crianças menores de dois anos, idosos e algumas populações específicas como a população carcerária, os portadores de doenças crônicas e a população indígena.

Quem verdadeiramente ama, cuida. Imunize!



ABAN Brasil

sábado, 4 de junho de 2016

Criatividade & Soluções


CRIATIVIDADE PARA SE RESOLVER PROBLEMAS


Conta-se a história de um criador de galinhas cuja terra era continuamente inundada toda primavera. Embora as inundações lhe causassem problemas terríveis, ele se recusava em mudar-se dali.

Quando as águas voltavam a subir sobre as suas terras e inundavam os seus galinheiros, ele corria para mudar as suas galinhas para um lugar mais alto. Em alguns anos, centenas delas se afogaram porque ele não conseguia mudá-las a tempo.

Um ano, após sofrer grandes perdas numa inundação particularmente ruim, ele entrou na casa da fazenda e, com uma voz cheia de desespero, disse para a esposa: “Chega, eu não agüento mais! O pior é que eu não tenho condições de comprar outro lugar e nem consigo vender este aqui. Eu não sei o que fazer!”

A esposa dele calmamente respondeu: “Compre patos.”


Carlos Carvalho

Cientista Social, fundador da ABAN Brasil
Junho de 2016

terça-feira, 31 de maio de 2016

5 de junho - Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia Mundial do Meio Ambiente


Esse dia é comemorado em 5 de junho. A data foi recomendada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia.

Através do Decreto Federal 86.028, de 27 de maio de 1981, o governo brasileiro também estabeleceu que neste período em todo território nacional se promovesse a Semana Nacional do Meio Ambiente que tem por finalidade apoiar a participação da comunidade nacional na preservação do patrimônio natural do País.

O Dia Mundial do Meio Ambiente, também denominado WED, chama a atenção e ação política de povos e países para aumentar a conscientização e a preservação ambiental. Por meio do WED, O Programa da ONU para o Meio Ambiente personaliza questões ambientais e possibilita a cada um perceber não somente sua responsabilidade, mas também o poder de se tornar um agente para a mudança, apoiando uma forma de desenvolvimento mais justa e sustentável.

 
O WED é também um dia para promover um mundo mais limpo e verde para si e para as gerações 
futuras.


ABAN Brasil

ABAN Ambiental

terça-feira, 1 de março de 2016

A Numeração das Artes


A Numeração das Artes

Em 1912, o pensador italiano Ricciotto Canuto, propôs um Manifesto das Sete Artes no qual descreveu a famosa lista das artes. Originalmente, eram estas:

·         Arquitetura
·         Escultura
·         Pintura
·         Música
·         Dança
·         Poesia
·         Cinema

Atualmente, o número das artes conhecidas é basicamente de onze, com algumas variações. São elas:

1ª Arte - Música (som);

2ª Arte - Artes Cênicas (Teatro/Dança/Coreografia) (movimento);

3ª Arte - Pintura (cor);

4ª Arte - Arquitetura (espaço);

5ª Arte - Escultura (volume);

6ª Arte - Literatura (palavra);

7ª Arte – Cinema;

8ª Arte - Fotografia (imagem);

9ª Arte – Desenho (quadrinhos, imagem e gráficos);

10ª Arte – Arte Digital (multimídia, vídeos games, programação, artes gráfics computadorizadas);

11ª Arte – Culinária.


Carlos Carvalho

Março de 2016

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

QUANTO VALE UMA CRIANÇA NA BULGÁRIA?


QUANTO VALE UMA CRIANÇA NA BULGÁRIA?
A face maligna das liberdades


"Iliana foi para a Grécia grávida. Quando voltou, disse que o bebê morreu no parto". Mas em seu gueto cigano na Bulgária, ninguém é enganado: a criança foi vendida do outro lado da fronteira.

"É muito difícil provar os fatos. As mulheres são vítimas, mas muitas vezes são elas que tentam vender um bebê e não cooperam para que se possa acusar os traficantes", suspira Ivan Kirkov, chefe da promotoria de Burgas, cidade ao lado do mar Negro.

A legislação grega em matéria de adoção favorece esta atividade criminosa. E aceita as adoções "privadas" com base em um acordo de firma reconhecida com a mãe biológica.

"Três ou quatro traficantes controlam o mercado grego", vendendo "5 ou 6 bebês por mês", afirma Plamen Dimitrov, um cigano de Burgas encarregado do transporte das mães a Atenas.

O chefe da quadrilha embolsa, segundo ele, cerca de 12.700 euros por transação, dos quais 3.500 euros (R$ 15,7 mil) ficam para a mãe biológica. Na Bulgária, o salário médio é de 470 euros por mês.


Fonte:
Isto É

http://www.istoe.com.br/assuntos/semana/3

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

O Colapso do Sistema

O Colapso do Sistema



Se você rapidamente e apenas superficialmente der uma olhada nas principais publicações, revistas ou jornais impressos ou na rede, vai constatar uma série de situações caóticas e isso se tratando só de nosso país. Você perceberá que, não importa em qual região do Brasil more, os problemas vão de coisas corriqueiras até grandes tragédias.

Ruas esburacadas, postes quase caindo, rede elétrica antiga e sem manutenção, tubulações velhas e antigas que explodem gás ou água, estradas sem asfalto e que parecem solo lunar, cobranças indevidas de impostos, taxas e pedágios por todos os lados, sujeira em várias formas nas ruas, avenidas, rios, praias e mares, falta de iluminação decente nas ruas, drogas, roubos, furtos e violências diversas. Estes são os menores.

Corrupção em todos os níveis políticos e empresariais, relações internacionais impróprias e ridículas, crise financeira generalizada, “pedaladas” fiscais, mais impostos sobre o consumo que somente destrói os recursos dos que têm menos, multinacionais sanguessugas com o aval governamental, empreendimentos estatais faraônicos superfaturados e sem prazo de encerramento, rompimento de represas, crise na pesca, falta de água, meio ambiente que não possibilita o progresso interno, queda da renda e do poder de compra dos cidadãos, desemprego, falta de investimentos nas áreas vitais de tecnologias, defesa e educação de qualidade. Estes são alguns dos maiores e a lista pode continuar.

É claro que qualquer pessoa que pensa apenas um pouco sabe que quando multiplicamos em série e diariamente as mesmas falhas de gestão, a mesma logística sem lógica, a mesma administração inconsequente, a falta de percepção do macro, de prevenção e de previsão concreta, quando usamos material de péssima qualidade nas obras, quando permitimos que a doença da corrupção institucionalizada una-se ao “DNA” do sistema e quando não temos a coragem de cortar o mal definitivamente pela sua raiz, os resultados são o colapso do sistema.

Este colapso é só a ponta do iceberg em prejuízos financeiros, em demolição da economia, em perdas de vidas, em enfraquecimentos dos laços comerciais internacionais, no aumento da violência generalizada, na crise familiar, no contorno da Lei, na impunidade geral, no crescimento do abismo social entre os poucos que tem e a maioria dos que menos tem, no aumento da imoralidade em detrimento da verdadeira liberdade responsável, na excessiva busca por direitos pessoais sem se cumprir deveres e assim por diante.

O sistema de vida e social no qual vivemos não suporta uma carga tão pesada de sucessivos erros como o que permitimos acontecer por tanto tempo, e, por isso, os resultados desse impacto é proporcional ao mal que geramos. Quase tudo o que vemos tanto nos noticiários como em nossa observação diária é o colapso do sistema e nada mais. Após o colapso vem o caos.

Só na ilusão da evolução é que o caos cria ordem e harmonia cósmica, mas na vida real, a insistência nos erros gerenciais da vida e dos recursos que estão à nossa disposição cria colapso, depois o caos, e o caos não de dissipa com facilidade. É preciso uma poderosa intervenção para que ele cesse seu rastro de destruição. Podemos evitar tudo isso se usarmos as ferramentas certas com antecipação..




Carlos Carvalho
Teólogo e Cientista Social

Janeiro de 2016